Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

DANIEL CASRIEL, 50 ANOS À FRENTE DO SEU TEMPO (parte 2)

March 22, 2018

A psicoterapia emocional não é contra a cognição e a palavra, que são, por sua vez, chamadas à primazia e colocadas num contexto adequado.

 

 

 

Casriel descobriu há 50 anos um diamante que ainda não está completamente lapidado, isto é, em que a sociedade atual ainda não se reconhece completamente.

 

 

 

Só 30 anos depois do seu livro, a sociedade humana começou a acompanhar as suas descobertas:

 

 

Em 1998 Leslie Greenberg fez um livro sobre “Psicoterapia Focada nas Emoções”, que utiliza algumas técnicas semelhantes às da psicoterapia emocional de Casriel.

 

 

 

Só em 2001 António Damásio publicou “O Erro de Descartes”, onde atribui grande importância às emoções e sentimentos, que orientam a área cognitiva.

 

 

 

 

 

 

Só em 1998 Jaak Panksepp publicou o seu livro seminal: “Affective Neuroscience. The Foundations of Human and Animal Emotions”.

 

 

 

 

 

 

 

O caminho difícil que a psicoterapia emocional tem enfrentado

 

 

O racionalismo, que fundamentou muitos avanços das sociedades modernas, esclerosa-se agora muitas vezes em teorias antropocêntricas e centradas na suposta razão, com imensas dificuldades em admitir o poder das emoções.

 

Entretanto a Psicoterapia Emocional e Bonding fez a sua carreira completamente isolada, como no splendid isolation (isolamento esplêndido) de Freud, só conseguindo manter-se, durante estes 50 anos, graças à sua espantosa eficácia e coerência interna.

 

Ainda hoje tem caraterísticas que a sociedade atual não aceita ou custa a aceitar, tais como os gritos, as palavras vernáculas e alguma intimidade física não sexualizada.

 

Só se aguenta, portanto, apesar disto tudo e da enorme dispersão geográfica dos seus praticantes, graças, como disse, aos seus espantosos resultados, inovação e coerência interna.

 

 

O Bonding é a melhor de todas as psicoterapias emocionais, e deve ter um destaque fundamental na prática da psicoterapia e no ensino.

 

 

Para mim, o bonding é mat work, trabalho em colchões, em pares e grupos de atitude, com intimidade física não sexualizada, e com o uso de vocalizações fortes.

 

O resto são derivados, igualmente muito importantes, como a psicoterapia emocional em cadeiras e o coaching emocional em pessoas, famílias e empresas.

 

Mas aquilo que deve ensinar-se, em primeiro lugar, é a psicoterapia bonding, na linha daquilo que Casriel inventou e desenvolveu.

 

 

"Bonding Psychotherapy: 50 years of history and a look to the future" é o tema da 21ª Conferência Internacional de Psicoterapia Bonding.

 

 

Inscreva-se aqui

Share on Facebook
Share on Twitter
</